segunda-feira, 28 de setembro de 2015

... Toda a vida se tornaria oração

Visita ao Cedec / Arcoverde-PE


 Se soubéssemos escutar Deus, se soubéssemos olhar a vida, toda a vida se tornaria oração. Pois toda ela se desdobra sob o olhar de Deus e nada deve ser vivido sem ser-lhe oferecido livremente.
As palavras de cada dia servem-nos antes de tudo como traço-de-união com o céu. Depois, como alguém que joga as cascas de uma fruta que vai comer, dispensemos, depressa, as palavras. Eram um meio, e só. Mas a oração silenciosa que se desprende das palavras, nunca deve separar-se da vida, pois a vida de cada dia é a matéria-prima da oração.

Michel Quoist

*

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Toda a vida se tornaria um aceno


Visitando o CEDEC em Arcoverde / PE


Se Soubéssemos olhar a vida com os olhos de Deus, toda a vida se tornaria um aceno: inúmeros gestos de amor do Criador em busca do amor de suas criaturas. Se o Pai nos colocou no mundo, não foi para que andássemos de olhos no chão, mas o acompanhássemos pelas marcas que deixou em todas as coisas, nos acontecimentos, nas pessoas. Tudo nos deve ser revelação de Deus.

Michel Quoist

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Se Soubéssemos olhar a vida...

Visitando o CEDEC em Arcoverde / PE


Se soubéssemos olhar a vida com os olhos do próprio Deus, então veríamos que nada no mundo é profano; tudo ao contrário, participa da construção do Reino de Deus. Assim, pois, ter fé não é somente erguer os olhos a Deus para contempla-Lo; é também, olhar a terra, mas com olhar de Cristo.
Se tivéssemos deixado que o Cristo penetrasse todo o nosso ser, se tivéssemos purificado bastante o nosso olhar, o mundo não seria mais para nós um obstáculo;  seria um perpétuo convite a trabalharmos para o Pai, a fim de que, no Cristo, venha seu reino na terra como no Céu.
É preciso pedir a Deus fé para saber olhar a Vida. 

Michel Quoist 

sábado, 5 de setembro de 2015

Se soubéssemos escutar Deus...


Visitando o CEDEC em Arcoverde / PE


 Se soubéssemos escutar Deus, ouvi-lo-íamos falar-nos. Deus fala, na verdade. Falou através de seu Evangelho. Fala também através da vida, este suave evangelho cujas páginas escrevemos, nós próprios, uma por dia. Mas, por ser fraca demais a nossa fé, e humana demais a nossa vida, raramente acolhemos a mensagem de Deus. Para ajudar-nos a ouvi-la, no início de nossa vida de amizade com o Cristo, podemos imaginar o que nos diria se Ele próprio traduzisse seu Evangelho para os homens de nossa época.

Michel Quoist 


*