segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Antes de Partir / Fiéis Defuntos - 2015





Não, não se trata de um comentário sobre o filme "Antes de Partir". Trata-se, no entanto, de um Relato de Experiências vividas por três irmãos, na verdade eles eram meus tios, irmãos de minha mãe. O que tem de semelhante com o filme a que me refiro neste título acima, é que, como eles, meus tios também tiveram uma experiencia de vida dias antes de morrer. Mas, diferente dos personagens do filme que resolveram aproveitar o restante da vida fazendo tudo o que sempre desejaram, antes de partir; meus tios viveram uma experiência espiritual, fazendo valer os últimos dias de suas vidas, na busca da reconciliação com Deus. Eram pessoas comuns, pecadoras, sofridas, mas com qualidades ocultas que só Deus conhecia.

Cada uma destas pessoas morreram em momentos e circunstâncias diferentes entre si. Seus nomes eram Alípio, o primeiro que faleceu, depois Edésio, o segundo, e por fim Severino, o terceiro tio.



Alípio - Jesus o levou para Ele.

Alípio era solteiro e morava com meus pais e irmãos, além de uma tia irmã mais velha de minha mãe e dele. Eu era muito pequena quando ele conviveu conosco e nem me lembro dele. O que irei relatar foi contado por minha tia e irmã mais velha dele, Rita de Cássia, a mesma que residia com a gente e também já não está entre nós.Tinha tio Alípio um problema de natureza mental que não sei explicar as causas; sei apenas, que ele escutava mas não falava. Se comunicava através de gestos e assim vivia sem problemas com todos da família. Um certo dia, ao anoitecer, antes de se recolher para dormir, ele foi até a cozinha e pediu água à minha tia que lhe entregou sua pequena quartinha (recipiente de barro onde se armazena água para beber). Terminado de tomar a água, Titia quis saber se ele queria mais alguma coisa, uma fruta talvez. E, para surpresa sua ele respondeu falando pela primeira vez: "Deste mundo eu não quero mais nada, só Jesus!".  Logo depois foi dormir e quando amanheceu o dia, não mais acordou. Jesus o levou para Ele.



 Edésio - Morreu Reconciliado


Edésio também era solteiro. Morreu aos quarenta anos de um câncer na boca, sofreu muito com a doença. Lembro-me de tudo, porque nesses últimos momentos de sua vida eu já tinha quinze anos. Alguns anos antes de sua morte ele não residia mais conosco mas, em um quitinete alugado no mesmo bairro nosso. Ele havia sido expulso de nossa casa por papai, seu cunhado. Meus pais não suportaram as consequências da bebida que o fazia chegar embriagado quase todos os dias, brigando com mamãe e titia. Chegava chamando palavrões, como "a gota serena", que não sei o que significa. Outras vezes chegava mais alegre e cantando a música de Nelson Gonçalves, "Boemia aqui me tens de regresso..." Era quando eu gostava, pois ele tinha uma bonita voz. Mamãe e titia ficavam preocupadas com a vida que ele levava e temia por algum atropelamento nas ruas. Tio Edésio também fumava muito. Tudo isso provocou a doença do câncer na região bucal. Foi quando ele voltou para nossa casa para ser cuidado pelas suas irmãs. Ele gostava de conversar com o padre capelão do colégio de freiras perto de nossa casa. Quando estava muito doente, mas ainda conseguia falar, pediu para se confessar com este padre seu amigo. O padre foi à nossa casa e administrou os Sacramentos da Reconciliação e o da Unção dos Enfermos. Depois disso, mesmo sentindo terríveis dores, nunca mais chamou nomes nem blasfemou. Morreu Reconciliado com Deus.




Severino - Perdoou os Irmãos e o Pai o perdoou.



Severino, o mais velho dos irmãos era casado, tinha sete filhos e morava com sua família na cidade onde nasceu. Mesmo sendo considerado severo na educação dos filhos, sempre foi um bom pai. Ele tinha um temperamento difícil e rancoroso. Ao longo da vida, brigou e cortou relações com algumas pessoas, como um primo, antes seu amigo. Outra peculiaridade sua era a de se considerar ateu. Afirmava não crer na existência de Deus e sendo assim não frequentava a Igreja. O contraditório de tudo era quando meu tio ficava doente e começava a pedir a ajuda de Deus. Era triste e cômico ao mesmo tempo. Seus filhos estavam adultos e algumas filhas haviam casado, quando adoeceu gravemente de cirrose hepática. O sofrimento causado pela doença aproximou-o de Deus e o fez refletir sobre o pouco tempo que ainda tinha de vida. Assim, resolveu se confessar. O padre foi chamado à sua casa. Após a confissão mandou um dos filhos na casa do primo convidando-o a ir em sua casa. O primo foi e, ambos, se reconciliaram. Fez o mesmo com a outra pessoa, com quem também havia brigado, pedindo seu perdão. Alguns dias depois, morreu em paz. No seu enterro, o padre muito ocupado, celebrou a missa de corpo presente. Meu tio Perdoou os Irmãos e foi Perdoado pelo Pai.



Zui Galvão



(Esta postagem foi repetida. Veja: Antes de Partir, 02/11/2012.)


   ***

Um comentário:

  1. Lendo com tanto amor as postagens me veio a mente uma triste pergunta
    porque será meu Deus...quantos leem sobre o perdão e faz parte de uma rede.
    fico triste por saber que conheço muita gente que fala .
    Eu não perdoou isso é triste.
    Nossa vida é curta porque ñ tentar viver em paz.o mundo a muito perdeu a paz então vamos cultivar pelo menos dentro de nós a força q brota do amor após o perdão.
    Feliz Domingo.

    ResponderExcluir