quinta-feira, 28 de março de 2013

Tríduo da Páscoa



Santa Ceia

Neste dia, se comemora a última ceia de Cristo, na qual a atitude de Jesus revela o sentido maior de sua vida e sua obra. No serviço prestado a Deus através do próximo está o sentido da nossa existência, da nossa fé, da nossa dor. Jesus lava os pés dos seus: um gesto concreto de amor. Dá-se em alimento: um dom para a unidade. Nasce o sacerdócio: uma presença contínua para o serviço do Reino. E o mandamento novo que tudo resume, explica e contém. Sua obra atinge a plenitude. Não seria a última vez na História que ele faria isso. Ele perpetua sua presença na sua obra. Num dia como o de hoje temos muito a aprender sobre o sentido da vida, da fé, do amor.


Paixão do Senhor

É a cruz que nos permitiu conhecer a Deus até o fim, saber aonde ia Deus: até a ressurreição. Ela é expressão  de seu amor que não se explica mais com palavras. É puro amor. Cabe a nós reencontrar o senso da cruz para reencontrar o sentido da vida, de Deus. Seria necessário fazer, de Jesus que morre, um ideal. Poderia nascer dele um inesperado sopro de vida para muitos.


Sábado Santo

Ao buscar nas Escrituras o sentido da morte de Jesus na cruz nos convencemos de que Jesus não morreu para si mesmo, mas para nós. Daí o seu caráter de expiação. Senão o mistério da morte de Cristo fica reduzido a um ato de pequena compaixão que nem salva. Devemos sentir no nosso coração o desejo de ter um nome que exprima, diante deste mistério, o significado da vida: um contínuo ato de agradecimento. O cristão pode encarar a morte em sua terrível realidade sem, por isso, renunciar à esperança. Deus entregou seu Filho para não abandonar o homem à sua solidão.
(Agenda Bíblica - 1993)


Um comentário:

  1. Gracias por su visita, y por haberla conocido.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir